segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

204 indígenas colam grau na UEA neste sábado em Benjamin Constant

Será a maior turma em número de índios a colar grau numa única cerimônia de seis cursos superiores promovidos pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA).
Manaus - Duzentos e quatro índios de municípios do Alto Solimões serão protagonistas de uma formatura histórica no país. Será a maior turma em número de índios a colar grau numa única cerimônia de seis cursos superiores promovidos pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA). A cerimônia acontece no próximo dia 17, em Tabatinga.
Os novos bacharéis em Antropologia, Artes, Biologia, Educação Física, Letras e Matemática são moradores dos municípios de Tabatinga, São Paulo de Olivença, Amaturá, Santo Antônio do Içá, Tonantins, Atalaia do Norte e Benjamim Constant, sede do encontro entre Cambebas, Caixanas, Cocamas e Ticunas, que marcará o início de um processo de transformação no quadro da Educação na região do Alto Solimões, uma das principais reivindicações de populações indígenas em todo o Brasil.
Na região do Alto Solimões o crescimento da demanda por cursos superiores
Segundo coordenadores da Organização Geral dos Professores Ticunas Bilingues (OGPTB), a região do Alto Solimões vem registrando nos últimos anos uma demanda crescente pela criação de cursos superiores provocada por exigências legais para a formação de professores e pela necessidade de atendimento a estudantes do 5º ao 9º ano e do ensino médio.
O projeto do Curso de Licenciatura para Professores Indígenas do Alto Solimões foi elaborado pela equipe pedagógica da ong criada há vinte e cinco anos na aldeia Filadélfia, na fronteira do Brasil com o Peru e a Colômbia.
A primeira turma do Curso de Licenciatura para Professores Indígenas do Alto Solimões, promovido pela UEA em parceria com o Ministério da Educação (Mec), revelou resultados surpreendentes na opinião do professor José Aldemir de Oliveira, reitor da universidade, com índices de alto rendimento dos alunos ao mesmo tempo em que o número de desistentes foi menor que o esperado.
De 252 vagas ofertadas em 2005 para início em janeiro de 2006, 204 estudantes concluíram o curso formatado em 10 módulos aplicados sempre no período de férias escolares para não prejudicar o ano letivo nas escolas onde são professores.
Com duração de cinco anos, o curso qualificou os professores para o atendimento a estudantes dos anos finais do Ensino Fundamental e das três séries do Ensino Médio das escolas de aldeias onde já atuam. Depois de cada módulo os estudantes desenvolveram pesquisas sobre temas de interesse de suas comunidades utilizando as metodologias discutidas nas aulas do curso.
Os módulos do curso de licenciatura para professores indígenas foram aplicados na aldeia Filadélfia, município de Benjamim Constant, no Centro de Formação e Organização de Professores Ticunas Bilingues com habilitação em - Língua Indígena Kokama, Língua Portuguesa, Literatura e Língua Espanhola;  Arte e Educação Física, Biologia e Química,  Física e Matemática, Geografia e História, Antropologia, Filosofia e Sociologia.
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário