segunda-feira, 11 de agosto de 2014

As identidades indígenas na escrita de Daniel Munduruku

Publicado em:  Geledes
SANTOS, Waniamara J.
Universidade Federal de Ouro Preto
(UFOP) 
Resumo: Conforme Hall (2002), os efeitos da globalização ocasionaram mudanças rápidas e permanentes no cenário mundial e contribuíram para o descentramento do sujeito. As minorias (negros, índios, mulheres, homossexuais, etc.) ganham voz e, por meio de seus discursos, contrapõem suas identidades aos modelos estáticos vigentes na sociedade. Sob esse viés, discute-se o lugar da literatura indígena no cenário literário brasileiro. Almeida (2009) aponta a fundação dessa literatura na tradição oral de conservação e transmissão de suas “histórias”. Ao constituir uma voz de questionamento e contrapor-se ao discurso hegemônico, aos povos indígenas é possível evidenciar uma nova configuração identitária. Dentre os autores indígenas, Daniel Munduruku destaca-se no cenário literário brasileiro. Sua ação é de militância, sua literatura é política. Este trabalho busca refletir sobre o processo de escrita e (re)invenção indígena em sua obra premiada pela UNESCO na questão da tolerância, em 2002, Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória. A análise do texto evidencia que a assinatura desse escritor representa uma nova consciência de classe fundada em linguagem simples e clara. O autor indígena cria novos olhares sobre o índio brasileiro, em que não vigora os estereótipos da barbárie, da preguiça e do atraso cultural.
Palavras-chave: Identidades; Literatura indígena; Alteridade
A pós-modernidade é marcada por mudanças significativas no contexto sócio- político-econômico-cultural em nível global. Essas alterações assinalam o desenvolvimento de novas identidades que surgem do pertencimento (ou do desejo de pertencimento) a étnicas, raças, línguas, religiões e, acima de tudo, nações. As classes ditas minoritárias – tais como negros, mestiços, índios, mulheres, homossexuais, judeus, etc. – ganham voz nesse novo cenário e, por meio da evidencia de seus discursos, contrapõem suas „imagens‟ aos modelos estáticos existentes na sociedade vigente.
Na concepção Bakhtiniana, identidades são relacionais. Conforme esse teórico, nós e os outros constituímos múltiplos centros concretos, responsáveis emocional- volitivamente, em que não há uma centralidade de pontos de vista, visto que esses múltiplos centros „orbitam‟ no entorno do eu-para-mim, justificando diversas formas de percepção do mundo. Daí tem-se, que não existem verdades únicas, histórias únicas, linguagens (sentidos) únicos. Existem negociações entre os seres. Portanto, a multiplicidade de centros, e seus deslocamentos identitários constituem-se a característica básica do homem na contemporaneidade.
Conforme Hall (2002), o conceito de identidades constitui-se como algo plástico, complexo, pouco compreendido na ciência social contemporânea para ser amplamente questionado. Assim, discute-se a mudança de uma política de identidades para uma política de diferenças. É sob esse viés que se discute o lugar da literatura indígena na cena literária no Brasil.

A introdução de obras literárias indígenas no espaço de leitura dos não-índios representa o estabelecimento de questionamentos e discussões acerca do lugar da alteridade, das identidades indígenas e a questão das estereotipias. Conforme Marilena Chauí (1994):
Quem lê os primeiros relatos sobre o Novo Mundo - diários e cartas de Colombo, Vespúcio, Caminha, Las Casas – observa que a descrição dos nativos da terra obedece a um padrão sempre igual: são seres belos, fortes, livres, "sem fé, sem rei e sem lei". As descrições de Vespúcio, mais do que as dos outros, são de deslumbramento, particularmente quando se referem aos homens jovens e às mulheres. A imagem dos "índios" não é casual: os primeiros navegantes estão convencidos de que aportaram no Paraíso Terrestre e descrevem as criaturas belas e inocentes que viveriam nas cercanias paradisíacas. [...] Contraposta à imagem boa e bela dos nativos, a ação da conquista ergueu uma outra, avesso e negação da primeira. Agora, os "índios" são traiçoeiros, bárbaros, indolentes, pagãos, imprestáveis e perigosos. Postos sob o signo da barbárie, deveriam ser escravizados, evangelizados e, quando necessário, exterminados. Durante os últimos 500 anos, a América não cessou de oscilar entre as duas imagens brancas dos índios e, nos dois casos, as gentes e as culturas só puderam aparecer filtradas pelas lentes da bondade ou da barbárie originária. [...] Entre os efeitos dessa obra - colonização, evangelização, escravidão, aculturação, extermínio - destaca-se uma certeza de que os povos indígenas pertencem ao passado das Américas e ao passado do Brasil. (p.11-12)
A autoria nativa visa a contrapor-se às identidades indígenas cunhadas no Brasil a partir do séc. XVI pelos “brancos europeus”, vigentes até hoje na sociedade brasileira, em que se concebem o índio a partir do exótico, do ingênuo, do selvagem, do atrasado cultural, da animália. Contra o nativo surge uma essencialização negativa que limita seu espaço de existência a uma condição de inferioridade. Segundo Almeida e Queiroz (2004):
Os indígenas brasileiros, através da aquisição e do domínio da escrita, passam a fazer história, como produção de sentidos para a própria ressubjetivação. Não há história sem discurso. E a escrita e seus meios são instrumentos que os índios estão utilizando para configurar suas identidades. Identidades, não como essência, mas resultantes de processos de identificação do sujeito ao complexo de formações discursivas historicamente (ideologicamente) determinadas. O que se exige de um discurso não é uma verdade é uma lógica discursiva. (p. 204)
Identidades, nessa perspectiva, é um conceito abordado „sob rasura‟ por apresentar-se de difícil definição atualmente. Até então, esse conceito permaneceu associado a um modelo fixo de constituição de sujeitos. Entretanto, hoje, implica na idéia de fragmentação de sujeitos. Os efeitos da globalização, num mundo pós-colonial, ocasionaram mudanças rápidas, constantes e permanentes que contribuíram para o descentramento do sujeito, tanto do seu lugar no mundo social e cultural quanto de si próprio. Sabe-se que as identidades são formadas no decurso do tempo, por processos inconscientes e não inatos. Associam-se as ideias de identificação e pertencimento. Mas, também, aos jogos de poder que emanam nas sociedades. Assim, a nova configuração de sujeitos estabelece a coexistência de identidades adotadas em razão da adequação aos contextos de uso, isentas de unicidade em torno do eu coerente, em crise. É nesse momento de crise e de novas configurações que surge a possibilidade de as identidades minoritárias serem repensadas. Sob esse viés, acredita-se que ao constituir uma voz de discussão de sua condição minoritária, de contrapor-se ao discursohegemônico, aos povos indígenas é possível evidenciar uma nova configuração identitária para si e seus povos.
A memória dos povos nativos retrocede ao passado colonial brasileiro e há tempos míticos. O presente dos povos indígenas é legitimado pelas experiências do passado; sua transmissão e conservação são realizadas por meio de práticas sociais, cerimoniais, rituais, pela tradição oral e pela incorporação de velhos hábitos pelas novas gerações. Basicamente, existe o trabalho de coleta e transcrição, tradução para a língua portuguesa e publicação de narrativas provenientes de representantes das duzentas e cinquenta etnias indígenas brasileiras. Para Maria Inês de Almeida (2009), o texto indígena é sempre autobiográfico porque se resume em “por em linguagem (grafia) própria (auto) todo o vivo (bio), textualizando toda a matéria figural que brota dos mundos.” (p. 55). Os relatos orais, repassados pelos índios mais velhos, transformam-se em palavra escrita que reitera a vida coletiva na aldeia, na floresta, a paisagem, os saberes e os conhecimentos nativos.
E foi ouvindo as histórias que meu avô contava que percebi o que os povos tradicionais podiam oferecer à cidade. [...] E isso me dá um álibi para usar as narrativas míticas para falar às pessoas com a mesma paixão com que o velho falava comigo. Acho que foi assim que surgiu em mim o interesse de narrar histórias para ajudar as pessoas a olharem para dentro de si mesmas, compreenderem sua própria história e aceitá-la amorosamente. (MUNDURUKU, 2009, p. 14-16)
Relatos de assassinatos e extermínios de grupos indígenas, expulsão de seus territórios e da prática generalizada de violências contra os indígenas são comuns no cenário brasileiro, sendo postos em evidência, principalmente, na década de 70. Nessa época, eclodem movimentos sociais que tratam da questão indígena no Brasil. Fruto da conquista desses movimentos, a promulgação da Constituição Federal, em 1988, implicou no reconhecimento e na garantia de direitos aos indígenas brasileiros. Dentre esses direitos, talvez o mais importante, o direito à educação diferenciada e bilingue.
É sabido que, como resultado do processo de aculturamento, os nativos brasileiros tinham pouco acesso à escolarização sem direito ao currículo diferenciado. São raros os indígenas que conseguiram a apropriação da cultura do branco, chegando a adquirir titulação em Instituições de Ensino Superior no Brasil. Com o advento da educação diferenciada e bilingue, as escolas indígenas, implantadas de forma acentuada na última década, promoveu- se a formação do indígena pelo próprio indígena, utilizando-se de material didático criado por eles próprios.
Os povos indígenas brasileiros, após a implantação das Escolas da Floresta1, no início da década de 1980 e, enquanto fruto da elaboração de seu material didático, experimenta a construção dos primeiros livros sob sua autoria, inicialmente uma autoria coletiva. Os livros são entendidos como arquivos de suas memórias, em que as diferentes etnias, por meio da prática da escrita em língua nativa e portuguesa, ganham visibilidade. A literatura indígena busca coletar, traduzir e publicar a memória ancestral (cultural e individual), mostrando os povos nativos à sociedade não-indígena num processo de respeito às diferenças. A sabedoria e os conhecimentos ancestrais arquivados promovem a construção da “identidade indígena” contemporânea e a desconstrução do estigma e dos preconceitos que vigoram em torno da figura do índio brasileiro.
Desse modo, a sociedade brasileira convive com a presença de escritores nativos que experimentam a escrita de uma literatura fundada na memória de suas experiências,


1 Os povos indígenas no Brasil preferem denominar suas escolas pela expressão “das florestas”, indicativo de uma territorialidade simbólica que se instaura para esses povos.


individuais e coletivas, nas tradições ancestrais de suas etnias. Silenciados por quinhentos anos de dominação cultural, política, religiosa e econômica, esse grupo de escritores indígenas busca uma forma de dar visibilidade às suas experiências, as suas existências. Durante os anos de aculturação, a identidade indígena construiu-se a partir do olhar do “estrangeiro”, sob o signo da diferença, do preconceito, de uma imagem que não condiz com a realidade dos povos nativos brasileiros. A literatura indígena de cunho memorialista, portanto, institui a construção de uma nova identidade pautada no resgate do vivido (sob a perspectiva do presente, do agora). Nessa medida, essa literatura funda-se na tradição oral de conservação e transmissão de suas “histórias” – mitos, lendas, autohistória, ritos, cantos, artesanato, grafismo, etc. e promove o renascimento do indígena pela linguagem própria.
Ressalta-se que embora seja grande o número de autores indígenas ainda é pequeno o número de obras no mercado. Souza (2009), afirma que:
O mercado editorial é constituído por modelos. No geral, as editoras querem vender livros. “São aquelas obras que tem um grande campo de comercialização. Os grupos editoriais ainda mistificam a literatura indígena. (p.23)
A literatura indígena nasce e em grande parte mantém-se na oralidade, voltada para a desconstrução e a reconstrução de fatos histórico-literários e a construção da imagem do índio real. Esse movimento de escrita indígena é comum a outros países americanos (Canadá, Estados Unidos, Peru, Bolívia, Paraguai, Guatemala, Chile, México), no entanto, não tão recente quanto à incipiente Literatura Nativa Brasileira.
Volver-se para os textos indígenas estruturados na memória desses povos é, também, pensar na condição indígena brasileira dentro da sociedade vigente. Essa perspectiva remonta o processo de aculturamento determinado pela colonização portuguesa. É significativo o grande número de obras literárias em que se testemunham invasões de terra, assassinatos, massacres, violências contra mulheres, promovidos em primeiro plano pelos europeus e depois por donos de terra, seringueiros, posseiros, garimpeiros e outros tantos.
Quando se pensa no cerne do termo colonização, depara-se com a ideia de ocupação territorial, de exploração dos bens, de submissão. A colônia, nessa medida, é o espaço ocupado, o povo sujeitado. Como povos nativos quando do „achamento‟ do Brasil pelos portugueses, são os povos indígenas os sujeitados, mandados, dominados e explorados por esses estrangeiros. Segundo Homi Bhabha, “(...) ao negar ao colonizado a capacidade de se autogovernar, a independência, os modos de civilidade ocidentais, confere autoridade à versão e missão oficiais do poder colonial” (1998, p. 127). Assim,
Não se pode negar o caráter constante de coação e dependência estrita a que foram submetidos índios, negros e mestiços nas várias formas produtivas das Américas portuguesa e espanhola. Para extrair os seus bens com mais eficácia e segurança o conquistador enrijou os mecanismos de exploração e de controle. (BOSI, 1996, p. 13)
O discurso colonial promoveu a dominação pela cultura, pelo povo, pela língua e pela fé dos povos nativos brasileiros. Calados por mais de quinhentos anos os povos nativos permaneceram invisíveis à sociedade brasileira (Governo e população), chegando quase a um processo de extermínio com o decaimento progressivo da população até a década de 1980. Essa condição de existência (e persistência) encontra-se amparada sob o signo do preconceito, da intolerância às diferenças, pelo desrespeito à raça indígena. Essa situação é a herança histórica da colonização exploratória conduzida pelos europeus no Brasil. Entretanto, na atualidade,
Os indígenas brasileiros, através da aquisição e do domínio da escrita, passam a fazer história, como produção de sentidos para a própria ressubjetivação. Não há história sem discurso. E a escrita e seus meios são instrumentos que os índios estão utilizando para configurar suas identidades. Identidades, não como essência, mas resultantes de processos de identificação do sujeito ao complexo de formações discursivas historicamente (ideologicamente) determinadas. O que se exige de um discurso não é uma verdade é uma lógica discursiva. (ALMEIDA & QUEIROZ, 2004, p. 204)
É, essencialmente, uma literatura que se funda (e que se assina) em razão de uma coletividade. Amparada em Lejeune (2008), percebe-se que o esforço de memória e o esforço de escrita são realizados por pessoas diferenciadas, dentro de um processo de coleta do material disponibilizado por via oral, em diálogo. Essa coletividade, também, evidencia sua origem na tradição da oralidade em que comumente inexiste a assinatura de uma autoria individual (lembremos dos contos populares). Para os indígenas, enquanto representativos de uma minoria,
(...) o fato de assumir o próprio relato de vida (e eventualmente tentar publicá-lo) representará, mais ou menos voluntariamente, um ato de ascensão social e de integração à cultura dominante, mesmo se isso for feito no âmbito de uma luta militante destinada a suscitar uma consciência de classe. (LEJEUNE, 2008, p. 133)
Dos mais de cem autores indígenas, o escritor Daniel Munduruku destaca-se no cenário literário brasileiro. Para a etnia Munduruku, Daniel constitui-se como um embaixador, promovendo à sociedade Brasileira não-indígena o conhecimento acerca de sua etnia. Ele é, ainda, o grande representante dos mais de duzentos povos indígenas existentes no país. Conforme Munduruku (2010):
(...) povos indígenas inteiros tem sofrido as consequências de viver em contato permanente com uma sociedade que lhes prendem em conceitos que os tornam menores e marginalizados. A isso se inclui a negação da identidade cultural. Se, por um lado, manter-se indígena é condição fundamental para o reconhecimento étnico – pois assim a sociedade complexa pode manipulá-lo – aprender e conviver com a sociedade em igual condição é considerado um abandono de identidade. Em outras palavras: se vou para a universidade e compreendo a lógica do ocidente, acabo desqualificado como membro de uma sociedade indígena. Ser indígena, na lógica ocidental, é manter-se no atraso cultural. Ao pertencer ao mundo globalizado, perco minha afirmação étnica. Essa forma de pensar tem ocasionado sérias crises de identidade em nosso meio. (...) As conseqüências disso são o sofrimento, a dor, o suicídio. (p.67)
Ressalta-se que, no caso de Daniel Munduruku, essa ascensão social e a integração na cultura dominante são claramente evidenciadas pela notoriedade e transparência com a qual sua imagem surge na mídia, nos últimos anos. Ao assumir uma posição de destaque, o escritor coloca-se numa situação de “negociação” em razão da coletividade. Sua ação é de militância, sua literatura é engajada e, portanto, política. Ressalta-se que a Literatura Indígena tem um caráter político. Conforme afirma Almeida e Queiroz (2004):
Não se trata de uma invenção qualquer. Trata-se de uma deliberação política. Os escritores indígenas o fazem de um território imaginário, em que as coisas se renomeiam, no exercício da ocupação do solo simbólico. A escritura é coletiva porque é expressão do que é comum, ou de um consenso em torno do “quem somos”. É política porque reordena a coletividade, valendo-se das palavras pronunciadas pelos seus representantes. Cada livro editado nesse processo de criação literária serve para indicar que é a partir da terra que os livros são escritos. Assim como na tradição literária européia se baseia na textualidade (ou representação) – um livro nasce de outro livro, e assim por diante – as várias literaturas indígenas servem-se da territorialidade: cada trecho de livro copiado, cada voz transcrita, cada tradição interlingual, cada parte do mosaico, que são os livros aqui referidos, é um pedaço de terra concretamente desapropriado e reapropriado ao mesmo tempo. (p. 197-198).
A assinatura de autor instaura a relação com a coletividade (sua etnia). É uma forma de: “Nascer de si mesmo, nascer de sua obra, tornar-se homem pelo acesso à assinatura, à recriação do nome próprio.” (BRANDÃO, 2006, p. 23). Munduruku significa guerreiro e é esse o papel do autor indígena para seu povo: lutar pelo pertencimento da nação indígena à sociedade brasileira.
Derpo2 nasceu na capital Paraense, em 28-02-1964. Sétimo filho de indígena Munduruku3, ele foi registrado com o nome de Daniel Monteiro da Costa. Viveu sua infância entre a cidade e a aldeia de Maracanã (sua aldeia familiar). No entremeio das culturas indígena e não-indígena, Daniel frequentou a Escola Salesiana do Trabalho, onde foi alfabetizado. Finalizado o primeiro grau, ele dedica-se à Ordem Salesiana, inclusive, pensando em ser padre. Em 1987, muda-se para Lorena, interior de São Paulo, dando continuidade aos estudos. Graduou-se, em 1989, em Filosofia pela Universidade Salesiana e cursou na Universidade de São Paulo (USP) mestrado em Antropologia (1992-1996) e doutorado em Educação (2003-2006).
Lecionou por dez anos na rede estadual e particular de ensino e atuou como educador social de rua pela Pastoral do Menor de São Paulo. A partir da experiência com crianças e adolescentes torna-se escritor. Seu primeiro livro Histórias de Índio foi publicado pela editora Companhia de Letrinhas, em 1996. Até 2011, Daniel publicou mais de cinquenta livros (vários volumes traduzidos para o inglês), a maioria focando a temática indígena, tais como: Coisas de Índio (Callis, 2000), O Banquete dos Deuses (Angra, 2000), O Sinal do Pajé (Peirópolis, 2003) e Um Estranho Sonho de Futuro: casos de índio (FTD, 2004). Recebeu premiações em nível nacional e internacional por seus trabalhos como escritor.
Desde 2001, o escritor preside o Instituto Indígena Brasileiro para Propriedade Intelectual (INBRAPI), organização não governamental (ONG) criada para promover a proteção dos conhecimentos tradicionais das aldeias e participa ativamente de atividades ligadas à causa indígena. É, também, diretor presidente do Instituto UK‟a4 (Casa dos Saberes Ancestrais), Conselheiro Consultivo do Museu do Índio/RJ e membro da Academia de Letras de Lorena. Anualmente, desde 2004, organiza o encontro nacional de escritores e ilustradores indígenas (a oitava edição aconteceu entre 14 e 16 de junho de 2011).


2 Significa peixe maluco em Munduruku, língua do tronco Tupi.
3 Povo de tradição guerreira realizava grandes excursões do Madeira ao Tocantins, com a finalidade, entre outras, de obter troféus de cabeças de inimigos que eram mumificadas e as quais se atribuíam poderes mágicos. Dominava culturalmente a região do Vale do Tapajós, que nos primeiros tempos de contato e durante o século XIX era conhecida como Mundurukânia.
4 Palavra da língua Munduruku que significa casa.




Daniel Monteiro da Costa mora na cidade de Lorena, é casado com Tânia Maria e tem três filhos: Gabriela, Lucas e Beatriz. Mantém um website e um blog, em que publica textos e informações de interesse indígena.
Dentre as mais de duzentas obras indígenas publicadas desde 1977, elenca-se o livro premiado pela UNESCO na questão da tolerância, em 2002, Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória, de autoria de Daniel Munduruku, para reflexão sobre o processo de escrita e (re)invenção indígena.
A obra literária trata da recordação de sua infância vivida na aldeia familiar, fortemente influenciado pela tradição étnica de arquivamento da memória ancestral via transmissão oral pelos mais velhos da aldeia e, nesse processo, evidencia a figura do avô paterno, o índio Apolinário, como figura fundamental para sua constituição identitária indígena
Seu trabalho de construção das memórias infantis inicia-se com o relato do seu nascimento em Belém – primeiro filho nascido em hospital. Daniel escreve sobre o ambiente familiar, destaca a profissão do pai (um habilidoso carpinteiro) e conta sobre a importância do trabalho para ele e seus irmãos no auxilio do sustento da família. E, ainda, ele relembra o início da vida escolar e a dificuldade de relacionamento com as crianças não-indígenas. Destaca a raiva que sentia em ser chamado de Aritana5, de ser índio e parecer-se com índio, porque ser índio representava ser preguiçoso, selvagem, canibal e atrasado... Embora tivesse amigos no ambiente escolar, é apenas no quintal de casa e na aldeia Maracanã que Daniel se lembra da sensação de paz consigo mesmo.
Os relatos de infância trazidos no texto têm uma finalidade clara de ensinar, de promover o respeito às diferenças. Nas palavras de Munduruku: “Minha idéia é fazer com que as pessoas que lerão este livro olhem para dentro de si – e também para fora – e vejam como é possível conviver com o diferente sem perder a própria identidade.” (2009, p. 38). A rememoração de sua infância para Daniel Munduruku em Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória visa à discussão quanto à alteridade, a tolerância racial e a construção da identidade indígena.
A escrita de Daniel Munduruku, sutilmente, rompe com estereótipos indígenas e preconceitos, como se pode observar abaixo:
Eu nasci índio. Mas não nasci como nascem todos os índios. Não nasci numa aldeia, rodeada de mato por todo lado; com um rio onde as pessoas pescam peixe quase com a mão de tão límpida que é a água. Não nasci dentro de uma Uk‟a Munduruku. Eu nasci na cidade. Acho que dentro de um hospital. E nasci numa cidade onde a maioria das pessoas se parece com índio: Belém do Pará. (MUNDURUKU, 2009, p. 9).
A afirmação do autor assinala sua condição de índio urbano, desconstruindo os mitos do selvagem, da animalidade, do “bicho nascido nas florestas”. Essa condição é compartilhada por um grande número de indígenas (puros ou descendentes) nascidos em território brasileiro - exceto o Estado do Piauí e o Distrito Federal, os demais Estados brasileiros atestam a presença de povos indígenas aldeados ou urbanos. Portanto, ser índio não significa ser selvagem, nascer no meio das matas e florestas como os animais, mas sim uma condição de pertença a uma raça, tal como nascer italiano, africano ou japonês.
Nessa mesma afirmação, Daniel discute o lugar do mito da raça pura. O autor assinala a evidência de um Brasil, cuja população é constituída, historicamente, pela miscigenação de raças, mesmo que a sociedade brasileira (o senso-comum) insista em negar


5 Nome de uma novela, cujo protagonista, chamado de Aritana, era Carlos Alberto Ricceli em seu primeiro papel na televisão. É também o nome de um grande líder do povo Yawalapiti do Parque Nacional do Xingu.


sua descendência indígena (e africana). A marca da mistura racial é trazida no corpo, no rosto da população, mesmo que ela não queira assumir sua condição (por razões diversas).
Em contraposição ao ambiente difícil da cidade, Daniel reconstrói o mundo familiar da aldeia Munduruku, em que destaca as lembranças de aventuras na mata perdidos na caça ao curupira, os banhos no igarapé, as caminhadas (com muita brincadeira) até o roçado com as mulheres da aldeia, a noite escura em torno da fogueira escutando as histórias contadas pelos mais velhos, de fazer xixi na rede (e no irmão mais velho) com medo de sair da oca à noite para procurar um lugar para urinar em virtude das histórias de “assombrações” e até do rito de iniciação no mangal (ou manguezal). Um ambiente construído de forma positiva, embora identificado como local de atraso, de falta de perspectivas, tecnologias e possibilidades.
O próximo preconceito desfeito é o da preguiça do índio brasileiro. Para tanto, Daniel relembra o ofício do pai, o trabalho dos irmãos e o seu esforço próprio em auxiliar nas despesas familiares. Sua escrita desfaz o mito da preguiça (lembremos de Macunaíma, de Oswald de Andrade, sob o mote do “Ai! Que preguiça!”), encenando uma vida marcada pelo trabalho diário e constante (realizado com alegria e orgulho). Em Meu vô Apolinário vê-se:
(...) meu pai era um grande artesão e foi graças a essa sua habilidade que pode alimentar tantos filhos durante tanto tempo. (...) Meus irmãos tiveram que ir trabalhar na cidade para ajudar nas despesas. Eu mesmo fui vendedor de doces, paçocas, sacos de feira, amendoim, chopp (é um suco colocado em saquinhos plásticos congelados. Em São Paulo chamam de geladinho). Fazia tudo isso com alegria. (...) E por que eu não gostava de que me chamassem de índio? Por causa das ideias e imagens que essa palavra trazia. Chamar alguém de índio era classificá-lo como atrasado, selvagem e preguiçoso. E como já contei, eu era uma pessoa trabalhadora e ajudava meus pais e meus irmãos e isso era uma honra para mim. Mas uma honra que ninguém levava em consideração. Para meus colegas, só contava a minha aparência... e não o que eu era e fazia. (MUNDURUKU, 2009, p.10-11).
Também no ambiente da aldeia o escritor destaca as diversas atividades desenvolvidas pelo grupo familiar e a divisão de trabalhos entre homens, mulheres, velhos e crianças. Retira da imaginação dos leitores a ideia de um índio que permanece deitado na rede por horas a fio, sem fazer nada, esperando da “graça” de Nhanderu (do Deus indígena) e da natureza o sustento de cada dia. Destaca, ainda, as atividades do povo Munduruku que para sua subsistência promovem o plantio e o cuidado com o roçado, à caça de animais, a pesca, a extração e coleta de frutas e medicinas, conforme destacados nos trechos seguintes:
(O ROÇADO):
Quando era dia de ir à roça, saíamos cedo e caminhávamos mais de três horas até chegar ao local. Nós, os meninos, íamos na frente para proteger o grupo. Bem, na verdade, íamos mais é brincando mesmo, coisa que toda criança gosta de fazer. Na roça eu gostava de ficar perseguindo as formigas. Elas são interessantes porque trabalham o tempo todo. (...) Só deixava de observar as formigas quando minha mãe me chamava para algum serviço. (MUNDURUKU, 2009, p. 15)
(O TRABALHO DAS MULHERES):
Eu e meus companheiros estávamos brincando juntos em um lugar de onde dava para ver as mulheres trabalhando no roçado. (MUNDURUKU, 2009, p. 15)
(A DIVISÃO DAS TAREFAS):
Nós temos o costume de tomar banhos comunitários nos igarapés. As mulheres vão primeiro e fazem o serviço da casa, como lavar os utensílios domésticos e as roupas sujas. Passam horas dentro d‟água junto com as crianças de colo e aquelas com menos de cinco anos. (MUNDURUKU, 2009, p. 25)
(A PESCA DE CARANGUEJOS):
Quando eu cresci um pouco mais e já tinha oito anos, meu tio me levou para tirar caranguejo no mangal (ou manguezal). (...) Os tiradores de caranguejo tem de esticar o braço atrás dele. Quando tem sorte, conseguem trazer o bicho na mão. Algumas vezes ele vem pendurado no dedo, pois para se defender pinça o agressor com as patas. A mordida é bem dolorosa. Essa “pesca” do caranguejo durava o dia inteirinho e só retornávamos para a aldeia quando já estava escurecendo e todos nos esperavam para fazer um gostoso jantar com os bichos que a gente trazia. (MUNDURUKU, 2009, p. 19)
(O TRABALHO DOS HOMENS):
Na época em que se passa esta história, ele já devia estar com mais de oitenta anos. Mesmo assim, fazia todas as coisas que um homem mais jovem: caçava, pescava, ia para a roça, preparava belíssimos paneiros com talas de buriti. Estava sempre trabalhando. (MUNDURUKU, 2009, p. 26)
Portanto, Daniel Munduruku assinala a importância do trabalho e a existência do desenvolvimento diário de todas as atividades sem o auxilio de tecnologias (inclusive sem energia elétrica e abastecimento de água potável), trabalho esse realizado sem as comodidades do ambiente urbano e da facilidade de aquisição em mercados e supermercados.
Lugar comum no imaginário brasileiro é a figura do índio que promove a antropofagia. As cenas de canibalismo descritas pelas missões científicas financiadas pelos governos europeus para conhecer a “terra brasilis”, por volta de 1550, (vide Hans Staden e Theodore de Bry) perpetuam essa associação do indígena com a animalidade, a falta de espiritualidade, a violência. Astutamente, Daniel identifica os costumes alimentares de sua aldeia: o beiju, o mingau de mandioca, a banana com farinha de tapioca, o caranguejo, as caças, o peixe, os produtos do roçado. Índio, portanto, não come carne humana! E se bem o faziam, existe uma justificativa culturalmente mediada. Não é, necessariamente, fruto de uma condição humana inferior, animal, desumanizada.
Magistralmente, o indígena escritor utiliza-se da ficcionalização de sua história de vida, desse sujeito de escrita, para construir a partir de sua relação com o mundo da leitura (de mundo e de obras) o universo do qual é parte constituinte. Ele destaca o rito de ouvir histórias. Tudo é preparado: fogueira, espíritos. A atmosfera é direcionada ao ato em que um fala, os mais velhos, e a aldeia ouve. A tradição transmitida via oralidade sedimentam importantes ensinamentos aos participantes da “fogueira”. É assim que a educação indígena acontece. No texto de Derpo, há o destaque para a lembrança da sabedoria de vida, de relações, de espiritualidade e de mundo do vô Apolinário que a compartilhada com seus familiares (entendidos como todos os pertencentes à aldeia) via oralidade. É ele quem o ensina a aceitar sua diferença em contraposição aos amigos da escola. É quem o ensina a ser índio. Segundo Daniel:
Foi meu avô quem me ajudou a superar estas dificuldades. Ele me mostrou a beleza de ser o que eu era. Foi ele quem me disse um dia que eu deveria mostrar para as pessoas da cidade esta beleza e a riqueza que os povos indígenas representam para a sociedade brasileira. Naquela época eu achei que meu velho avô estava tentando apenas me animar com palavras de incentivo. No entanto, hoje percebo que ele estava expressando um desejo de ver o nosso povo ser mais compreendido e respeitado. Parecia que ele sabia o que iria acontecer no futuro, pois quando deixei minha aldeia fiquei com o compromisso de levar esta riqueza junto comigo, mesmo sem saber se minha vida na cidade seria positiva ou não. (MUNDURUKU, 2009, P. 6-7).
A rememoração do seu velho avô, o índio Apolinário, é a questão central da obra. É com esse vô que Daniel aprende a ser índio. A imagem do avô é trazida na cena literária quando da rememoração da primeira paixão e da primeira decepção amorosa vivenciadas por Derpo. Conforme Munduruku, ao apaixonar-se por uma menina branca – a Lindalva – e ter coragem em contar-lhe sobre sua paixão, ele se depara com o preconceito e a vergonha. Lindalva o recusa por ser índio, por ser feio e, para piorar, conta o ocorrido a todos da turma. A situação causa grande constrangimento e tristeza. Era uma sexta-feira e a família estava para viajar até a aldeia dos Mundurukus. Quando na aldeia, todos os familiares notam as mudanças no comportamento do pequeno indígena: calado, triste, irritadiço... Observando seu neto, o índio Apolinário o convida, pela primeira vez, para conversarem e tomarem banho a sós no igarapé. Quando chegam ao local do banho, Daniel relembra que é convidado a sentar- se numa pedra ao lado da queda d‟água e escutar o rio. Passam-se horas e Daniel permanece em silêncio observando o rio, sem nada escutar. Depois de muito tempo, seu avô o convida a juntar-se no banho. Após o mergulho, Daniel procura seu vô Apolinário para conversar. Nesse momento, recebe a primeira de muitas lições de sabedoria provenientes desse velho índio. “Fiquei apaixonado pelo vô Apolinário”. (MUNDURUKU, 2009, p.32). Surgem, então, as lembranças da cumplicidade entre ambos, dos ensinamentos e da construção de sua identidade indígena.
O tempo que passam juntos é pouco, o avô, na época, contava com oitenta anos. As lembranças finais do livro descrevem a morte e o enterro do vô Apolinário. E, nessa recordação, o escritor busca construir o processo gradativo em que se percebeu índio e passou a orgulhar-se de sua condição.
Na verdade não sei muita coisa sobre meu avô porque o via muito pouco. No entanto, esse pouco de convivência marcou profundamente minha vida, formou minha memória, meu coração e meu corpo de índio. Acho até que falar dele me faz resgatar a história de meu povo e me dá mais entusiasmo e aceitação da condição que não pedi a Deus, mas que recebi Dele por algum motivo. (Munduruku, 2009, p. 7)
O ponto central desse mergulho memorialista reside nesse velho índio, de oitenta anos, misterioso, de grande sabedoria, que fazia todas as atividades de um homem jovem: caçava, pescava, trabalhava na roça e fazia paneiros com talas de buriti6. A cumplicidade surgida entre ambos é instaura o inicio de um processo de aceitação de sua condição indígena, a sabedoria do rio:
(...) Meu avô Apolinário – que ainda não apareceu nesta história, porque até aqui não havia marcado presença em minha memória infantil – surgiu ao


6 Cestos pequenos de vime, com duas asas, confeccionados artesanalmente com palmeira do coqueiro-buriti (ou buritizeiro, miriti, muriti, muritim, muruti, palmeira-dos-brejos, carandá-guaçu, carandaí-guaçu).


meu lado como num passe de mágica. Passou a mão suavemente sobre minha cabeça e disse:
– Hoje vamos tomar banho só nós dois.
Em seguida, começou a andar em direção ao igarapé e eu senti que devia acompanhá-lo. (...) Quando chegamos ao igarapé onde a gente sempre tomava banho eu parei. Apolinário apenas balançou a cabeça negativamente e apontou um lugar mais adiante. Fui atrás dele. Eu nunca tinha tido coragem de subir o rio, mas não fiquei surpreso com o convite de meu avô. Ele me levou para um lugar belíssimo, com uma queda d‟água mais ou menos alta. (...)
– Está vendo aquela pedra lá na cachoeira?
Respondi que sim.
– Então sente nela e fique lá. Não saia enquanto eu não mandar. Você só tem que observar e escutar o que o rio quer dizer pra você.
(...) Eu olhava fixamente para as águas pensando no que eu deveria ouvir. Não ouvi nada, é claro. Não daquela vez. Quando a tarde já estava caindo, meu avô me chamou.
– Agora já pode tomar banho.
(...)
– Você chegou à aldeia muito nervoso estes dias, não foi? Veio assim da cidade, lugar de muito barulho e maldade. Lá as pessoas o maltrataram e você se sentiu aliviado quando soube que viria para cá, não foi? Sei que está assim porque as pessoas o julgam inferior a elas e seus pais não o ajudam muito a compreender tudo isso. Pois bem. Já é hora de saber algumas verdades sobre quem você é. Por isso eu o trouxe aqui. Você viu o rio, olhou para as águas. O que eles lhe ensinam? A paciência e a perseverança. Paciência de seguir o próprio caminho de forma constante, sem nunca apressar seu curso; perseverança para ultrapassar todos os obstáculos que surgirem no caminho. Ele sabe aonde quer chegar e sabe que vai chegar, não importa o que tenha de fazer para isso. Ele sabe que o destino dele é unir-se ao grande rio Tapajós, dono de todos os rios. Temos de ser como o rio, meu neto. Temos de ter paciência e coragem, Caminhar lentamente, mas sem parar. (...) Quando você estiver com esses pensamentos outra vez, venha para cá ouvir o rio. (Munduruku, 2009, p. 30-31).
Destaca também os conhecimentos sobre medicamentos e ervas, sobre a floresta, sobre a construção de utensílios domésticos, sobre o trato com os animais, sobre as técnicas de pesca de caranguejo. Sua escrita assinala como os pais e avôs eram grandes conhecedores das coisas da floresta.
Minhas primeiras lembranças – além de um terremoto que vivi aos quatro anos – são as de meu pai martelando, serrando e falando sobre as propriedades da madeira (acho que ele falava era do espírito das árvores, só que não me lembro bem disso). (MUNDURUKU, 2009, p.10).
Essa nova percepção do mundo indígena instaura um novo significado quanto ao atraso cultural dos povos indígenas. Ao contrário, evidencia que os povos nativos brasileiros estão cercados de grandes conhecimentos o que não justifica a pretensa superioridade da raça européia sobre os nativos em razão da sua ignorância.
Cabe ainda ressaltar a questão da folclorização das histórias indígenas. Os nativos brasileiros afirmam que os estrangeiros ao apropriarem-se de seus ensinamentos acabaram por revesti-los de novas roupagens, folclorizando os seus conhecimentos tradicionais.
Pode-se também pensar no fato de que a folclorização da literatura indígena cumpre antes o papel de ocultá-la. A folclorização é a literatura em suspensão. Há literatura quando se vê a letra, assim como faz história quem a escreve. (ALMEIDA & QUEIROZ, 2004, p. 205)
Uma das passagens rememoradas por Daniel Munduruku relaciona-se com o seu encontro com o curupira. Para sua etnia, os seres coexistem com a figura dos seres encantados que vivem nas florestas e possuem uma função nesse universo, como é o caso do curupira. Ao contrário dessa crença, para a sociedade brasileira esse personagem foi apresentado ao público como uma lenda indígena, fazendo parte do folclore nacional. Sua intenção é a de mostrar as diferenças de credos, de espiritualidade: “Nossa fantasia era alimentada e visitada por esses pequenos seres – verdadeiros – trazidos até nós pela voz cantilena de nossos avôs.” (MUNDURUKU, 2009, p.14).
E por fim, tem-se que ao final de sua escrita, que coincide com a rememoração da morte do velho Apolinário, Munduruku faz conhecer aos seus leitores o resultado do trabalho paciente efetuado pelo velho índio. A escrita de Daniel processa-se a partir do toque na mão do avô. O sentido do tato é acompanhado de uma memória involuntária – tal como as “madeleines” de Proust – que coroa a construção de sua identidade indígena. Em razão da beleza da cena construída por meio das palavras escolhidas pelo escritor, a seguir, o trecho é apresentado na íntegra, encerrando o percurso de reflexão sobre a obra de autoria indígena.
Fiz questão de ir vê-lo pela última vez. Meu pai pediu dispensa no trabalho e me acompanhou. Fomos ele e eu apenas. Chegando lá, o velho já estava no caixão. Tinha um rosto bem sereno e tranqüilo. Peguei nas mãos dele para sentir, uma última vez, a energia do ancião que se transformaria em ancestral para meus filhos e netos. Nesse momento, minha mente recuou alguns meses antes, quando timidamente perguntei a ele o que era ser índio. A resposta veio como um relâmpago:
– É ter uma história que não tem começo nem fim. É viver o presente como um presente, uma dádiva de Deus.
Tocando nas mãos do meu avô falecido, recordei-me ainda de nosso último encontro, em que ele me anunciou que sua hora havia chegado. (...) Antes, ele ouviu o que eu tinha para lhe dizer, pois eu havia chegado à aldeia todo contente e fui imediatamente procurá-lo. Com todo o orgulho do mundo, anunciei a meu avô: sou índio. Ele abriu um lindo sorriso com a boca já um tanto desdentada, abraçou-me e disse:
– Então a minha hora já chegou. Preciso me unir ao Grande Rio. Lembre sempre, porém, que só existem duas coisas importantes para saber na vida: 1) Nunca se preocupe com coisas pequenas; 2) Todas as coisas são pequenas. (Munduruku, 2009, p.36-37)
Sob uma nova perspectiva, a perspectiva indígena, a obra fundamentada na memória de Daniel Munduruku serve de cenário e mote para a reinvenção da identidade indígena contemporânea, rompendo com preconceitos e estereótipos cristalizados na “consciência” do povo não-indígena brasileiro.
Sob a égide de um contrato de leitura firmado com seu público infanto-juvenil, o escritor indígena ficcionaliza seu mundo infantil e dá voz aos povos indígenas brasileiros para desconstruir essa identidade indígena firmada no século XVI pelos estrangeiros europeus. Ao utilizar de forma clara e atual, uma linguagem próxima das crianças e adolescentes, Daniel constrói uma nova identidade para o indígena brasileiro em que não mais vigora os mitos da preguiça, da animalidade, da antropofagia, do atraso cultural, da ignorância, da falta de espiritualidade, da “necessidade de humanização”.

Muitas vezes, o escritor evidencia a situação de uma criança que é igual às demais (aos seus leitores, aos pais de seus leitores, aos pais dos pais e assim por diante). Em sua essência é uma criança que brinca, ajuda e obedece aos pais, que faz traquinagens, se mete em confusões, tem amigos, ama, se apaixona e sonha... Não há razões, portanto, para se pensar em diferenças significativas. Essas são frutos de sua localização no mundo, de sua pertença num grupo social, de uma tradição cultural.
É, portanto, sob a assinatura que manifesta o desejo de uma coletividade, sustentando os ensinamentos, a sabedoria e os conhecimentos dos velhos da aldeia (simbolizado na figura de seu avô Apolinário), que o escritor indígena inaugura uma nova identidade cultural. O que representa não a criação de uma memória, mas sim de uma consciência de classe fundada na análise do presente dessas comunidades. Daniel Munduruku transforma-se em contador de histórias, em detentor de uma (sua) memória ancestral, para dar conta aos povos não-indígenas de seu (seus) lugar no mundo.
Dessa forma, com linguagem simples e clara, Daniel Munduruku cria novos olhares sobre o índio brasileiro, em que não vigorem os estereótipos da barbárie, exótico, preguiça, animália, ingenuidade, canibalismo, atraso cultural e ignorância.
O que se evidencia ao longo de quinze anos de escrita é o trabalho de recordação das experiências infantis, fortemente influenciadas pela figura do avô paterno, o índio Apolinário. A assinatura Daniel Munduruku nasce como um contador de histórias (e guardião da sabedoria e dos conhecimentos indígenas) para modificar a percepção da sociedade brasileira branca quanto às questões indígenas (e as suas identidades) pela palavra escrita.
(...) fui vítima do sistema ocidental de ensino e aprendi a manipular a memória usando a escrita e tornando-me, assim, um redator da memória oral da gente indígena, o que faz de mim um escritor. Meu amigo Ailton Krenak prefere me chamar de escrevinhador das memórias, título que muito me honra. (MUNDURUKU, 2010, p.66)





I. Referência Bibliográfica
ALMEIDA, Maria Inês de; QUEIROZ, Sônia. Na captura da voz: as edições da narrativa oral no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica; FALE/UFMG, 2004.
____. Desocidentada: experiência literária em terra indígena. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009.
BAKHTIN, M. M. Para uma filosofia do ato. Tradução de Carlos Alberto Faraco e Cristóvão Tezza de Toward a Philosophy of the Act. Austin: University of Texas Press, 1993.
BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1998. BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. 3a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1996. BRANDÃO, Ruth Silviano. A vida escrita. Rio de janeiro: 7letras, 2006.
CHAUI, Marilena de Souza. 500 Anos - Caminhos da Memória, Trilhas do Futuro. In: GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (org.). Índios no Brasil. Brasília: Ministério da Educação e do Desporto, 1994. p. 11-12.
Anais do SIELP. Volume 2, Número 1. Uberlândia: EDUFU, 2012. ISSN 2237-8758
14
DERRIDA, Jacques. As Pupilas da Universidade: O Princípio de razão e a idéia da Universidade. In: ______. O olho da universidade. Tradução de Ricardo Iuri Canko e Ignacio Antonio Neis. São Paulo: Estação Liberdade, 1999. p. 123- 157.
DUSCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros. Narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Tradução de Semíramis Gorini da Veiga. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 119-138.
____. Quem precisa da identidade? In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 9 ed. Petrópolis (RJ): Vozes, 2009. p. 103- 133.
LEJEUNE, Philippe. O pacto autobiográfico: de Rousseau à internet. Tradução de Jovita Maria Gerheim Noronha e Maria Inês Coimbra Guedes. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2008. (Coleção Humanitas).
MUNDURUKU, Daniel. Meu vô Apolinário: um mergulho no rio da (minha) memória. Ilustrações Rogério Borges. 2a ed. São Paulo, Studio Nobel, 2009.
____. Mundurukando. São Paulo: U‟Ka Editorial, 2010.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Um discurso sobre as ciências. 4a ed. São Paulo: Cortez, 2006.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Trad. Tomaz Tadeu da Silva e
← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

Um comentário:

  1. Excelente artigo, mostrou-me uma realidade indígena até então desconhecida para mim como também para milhares de pessoas que veem o índio como um ser inferior, sem sentimentos, que precisa ser apadrinhado,
    educado para vida(?) e ainda dizem num tom pejorativo quando se referem a multidão tentando entrar no trem: "parecem um bando de índios"
    Jose Carlos Silva - estudante letras Unicastelo

    ResponderExcluir